Recordando Conceitos de Roteadores que Estavam no Fundo da Memória….

Recordando Conceitos de Roteadores que Estavam no Fundo da Memória………….

Muita gente quer aprender a configurar Roteadores Cisco, outros já sabem, mas poucos realmente o conhecem bem. Configurar um equipamento exige inicialmente conhecer este equipamento. Saber para que serve e onde é empregado é tão importante quanto saber como ele opera.

Senão vejamos.

Você sabe o que é um Roteador? É claro! Muitos dirão.

Você sabe o que é um Amassador? Você sabe o que é um Prendedor? Você sabe o que é um Liquidificador? Ou um Aspirador?

Simples né! O próprio nome já nos diz o que o dispositivo faz.

Amassador amassa alguma coisa…

Prendedor prende alguma coisa….

Liquidificador liquidifica alguma coisa, então;

Roteador Roteia alguma coisa. Perfeito.

O simples ato de pensar no nome de um equipamento nos diz o que ele faz. Mas, vem cá, Roteia o quê???

Vamos lá então. O exercício de pensar nos faz recordar velhos conceitos que muitas vezes estavam empoeirados no fundo da nossa memória.

Aonde você costuma ver um Roteador operando? Em uma rede de computadores, ora! Correto.

Você já notou se esta rede é de tamanho reduzido? Grande?

É verdade. Já notei o Roteador instalado em uma Rede pequena e grande também, mas sempre notei que o Roteador também está ligado a outro equipamento que normalmente interliga a Rede local a outra Rede em local distante.

Muito bem observado.

Concluo então que o Roteador é usado, junto com outros equipamentos, para enviar as informações de uma Rede local para uma outra rede local situada a uma certa distância. Correto. Ele interliga LAN’s através de WAN’s. E mais, ele também envia informações de um computador para outro computador dentro da mesma rede LAN.

Interessante….

Espera aí! O computador não envia informações usando uma linguagem digital? Exato.

A linguagem digital não é aquela em que a informação é transmitida usando um sinal Binário? Exato. Aquele tal de BIT que possui somente dois estados, por isto Binário, como uma lâmpada acesa e no segundo estado a lâmpada apagada?

Puxa, como você está esperto não…

Lembra então que o BIT assume o valo “0” num estado e o valor “1” no outro estado?  Sim… Então se  o computador cria um código usando os dois estados do BIT ele poderia enviar a letra “A” enviando um BIT “0” e enviar a letra “B” enviando um BIT “1”, correto?

Sim poderia, mas veja bem… Neste caso ele poderia enviar somente duas letras. E o resto?

Aí a razão para que os códigos de transmissão de informação sejam compostos por um grupo de BITS arranjados de forma padronizada.

Vamos supor que alguém padroniza um código de uma combinação de 8 BITs, logo teremos então a possibilidade de transmitir 2 elevado a 8, um total de 256 caracteres.

Com isto na cabeça eu me pergunto. Então para que o computador possa transmitir para um outro computador a letra “A”, por exemplo, e se esta letra é composta por 8 BITs teremos que ter 8 meios físicos para que esta informação chegue ao destino?

Aí entra então outro conceito antigo, se a minha transmissão se der de forma PARALELA, aí preciso de 8 vias. Ou a minha transmissão se dará de forma SERIAL  aí preciso de somente uma via, ou um meio físico.

Viu como o simples pensar nos remete aos conceitos mais simples e que estão, ou deveriam estar, na nossa memória?

Então posso aumentar um pouco, com base nestes velhos conceitos, o meu conceito sobre Roteador. É um equipamento que Roteia a informação entre dois equipamentos distantes.

Rotear significa o quê??? Significa enviar a informação através de Rotas.

Rotas??? Então podemos ter mais que uma Rota de uma origem para um destino?

É claro!!!

Bem então deduzo que o Roteador vá enviar a informação através da Rota que eu disser para ele usar, ou se ele é esperto, ele vai escolher a melhor Rota!

Brilhante conclusão.

Resumindo então. O Roteador é um dispositivo que envia as informações de um equipamento instalado em uma rede local para outro equipamento em outra rede local distante, usando para tanto o melhor caminho. E muito além disto, ele também decide se a informação deve ser enviada para um destino distante ou para a própria rede local.

Deixe eu me recordar de uma coisa. Lembro que a informação digital trafega em um meio físico, um par metálico, por exemplo. Só que este par metálico, ou outro meio qualquer, limita a distância que o sinal Digital poderá percorrer, não é isto?

É, correta a observação. Por isto é que a rede local  (LAN) envolve distâncias limites, um exemplo 100metros.

Espera aí. Se o computador envia a informação através do Roteador, como isto é possível? Ora meu amigo, através de uma INTERFACE.

Então agora estou entendendo porque o Roteador tem uma INTERFACE de LAN, é para receber a informação que vem da rede local. E neste caso o sinal pode ser transmitido na sua forma original, pois fica dentro do limite suportado pelo meio.

E se a transmissão for para um computador em uma rede distante?

Lembra que já viste o Roteador ligado a outro equipamento que não a rede LAN? Pois é, este equipamento que estamos falando é o MODEM, que adapta o sinal digital para poder ser transmitido no meio Físico.

Por isto é que temos também no Roteador uma Interface que se diz INTERFACE de WAN, ou interface SERIAL… É claro! Como o sinal será transmitido? Na forma serial é lógico….

Quanta coisa está ligada ao simples fato de pensar o que o Roteador faz…

Mais uma coisa. Qualquer informação criada em um computador deve passar por diversos processos até estar pronta para ser encaminhada através de um meio Físico.

Que processos são estes? É claro, que estamos nos referindo às CAMADAS do MODELO OSI. E aí entra então outro questionamento.

Para desempenhar suas funções, já descritas, em que CAMADAS do MODELO OSI o Roteador trabalha????

Bela pergunta. Se ele transmite a informação diretamente no meio físico, no caso da LAN, e através do MODEM, no caso da WAN, então ele trabalha na CAMADA FÍSICA. NO ALVO…..

Mas espera aí, se a função dele é encaminhar a informação através da escolha da melhor Rota, função esta TÍPICA da CAMADA de REDE, então ele trabalha na CAMADA de REDE. PIMBA…ACERTOU de novo.

Vem cá! Se eu não sou burro e alguém está me dizendo que o Roteador trabalha nas CAMADAS FÍSICA e de REDE, ele não tem que trabalhar também com a CAMADA de ENLACE, pois esta está no meio das camadas Física e de Rede???

Puxa, meu chapa você é cobra mesmo. PARABÉNS pela desenvoltura.

Se a principal função do Roteador é encaminhar a informação, e esta é uma função da CAMADA de REDE, posso então afirmar que o Roteador é um equipamento da CAMADA de REDE que opera nas camadas 1, 2 e 3.

Com isto agora posso criar uma definição para o Roteador de forma completa.

“O ROTEADOR É UM EQUIPAMENTO DA CAMADA 3 QUE TEM COMO FUNÇÃO ENCAMINHAR OS PACOTES DE UMA ORIGEM A UM DESTINO UTILIZANDO A MELHOR ROTA, SENDO USADO PARA INTERCONECTAR REDES LAN’S ATRAVÉS DE REDES WAN’S”

Agora que nós já sabemos o que é o Roteador e o que ele faz, e o mais importante, através de que elementos ele executa esta função, que são as INTERFACES de LAN e WAN, podemos pensar então que para tornar o Roteador operacional só precisamos configurar as INTERFACES de LAN e WAN e o Roteamento.

É por aí. Mas veja bem, temos que lembrar o que acontece quando interligamos duas interfaces. A analogia entre uma interface de comunicação e uma interface hidráulica é por demais adequada, se não vejamos.

Você já tentou conectar dois canos de bitolas diferentes? Possivelmente não. Fica por demais evidente a impossibilidade de fazê-lo. Como vou conectar um cano de 2 polegadas de diâmetro com um cano de 1 polegada?

Resposta. Usando um adaptador. Bela resposta.

Significa então que se tivermos dois canos de 2 polegadas poderemos interconecta-los? Nem sempre. Veja bem se os dois canos tiverem roscas externas, como fazer para conectá-los?

Resposta. Usando um adaptador em que teremos  rosca interna nas duas extremidades. Mas e se os dois canos têm a função de transmitir água??? O que vai acontecer? A água não circula.

É preciso que um cano transmita e o outro receba.  CAPTOU a MENSAGEM meu divino GURÚ???

Pode transladar toda esta conversa para uma interface de comunicação e verá que é semelhante.

Não adianta termos as interfaces de mesmo padrão, é necessário compatibilizar também as suas funções. Então a primeira necessidade é entender e saber como selecionar estas funções.

Entendi. Deixa comigo que  já está no papo. Mas espera aí. Para configurar o Roteador, este não precisa estar ligado? Verdade.

Então suponho que o Roteador deva ter também uma interface para energia. E tem.

Alguns modelos de Roteadores possuem a fonte que alimenta os circuitos digitais, INTERNA. E aí neste caso teremos uma interface do tipo três pinos, à qual conectamos um cabo adequado para alimentá-lo com o AC.

Outros modelos possuem a fonte EXTERNA, e aí a fonte vem anexa acompanhando o Roteador.

Pronto. Agora, olhando o Roteador já podemos identificar aquilo que consideramos de maior importância. As INTERFACES de LAN, WAN e de ENERGIA.

Então só falta configurar o dito? É parece que é por aí.

Mas, vem cá. Como faço para configurar as INTERFACES? É só ligar que aparece um visor mágico aonde as operações vão sendo feitas?

Bem pensado. É evidente que não é isto que acontece. Deve ter, e não é que tem mesmo, uma INTERFACE específica para acessar o Roteador e pela qual faremos as configurações. Chama-se de Interface CONSOLE.

Esta interface possui, por default, características de conhecimento geral que são:

Interface assíncrona de 9600bps, com 8 bit’s e 1 bit de stop sem controle de fluxo.

Então se tivermos um terminal que tenha também estas características, é só conectar nesta interface CONSOLE que acessaremos o Roteador.  Certa resposta?

Certa nada!!!

Você sabe o que vai acontecer quando ligar o Roteador no AC?

Você sabe o que digitar na Console?

Você conhece o comportamento do Roteador?

Quais os componentes que entram em ação quando se liga o mesmo?

Se tiver algum problema, você sabe qual a característica que o Roteador apresenta?

O que fazer se isto acontece?

Aonde buscar ajuda?

Em que componentes está armazenada a informação necessária para resolver uma anormalidade?

Viu!!! Quanta informação importante devemos saber.

Vamos usar então o velho processo do bom e eficiente Jack. É ele mesmo!!!

De uma forma geral todos os Roteadores da Cisco, independente de características externa, possuem na sua estrutura interna os seguintes elementos:

CPU, memórias e barramentos internos.

O que cada elemento destes faz é o que veremos no nosso curso de Configuração de Roteadores e Switches Nível Básico.

POR PARTES………

Saudações Cordiais.

Por Raul Ricardo Gauer em 11/01/2010

Sobre ademarfey

Professor de TI aposentado. Escritor na área de Redes de Computadores e Telecomunicações. Também pesquisa a Imigração Alemã no Brasil desde 2017.
Esse post foi publicado em Carreira, Certificação, Redes de Computadores e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Recordando Conceitos de Roteadores que Estavam no Fundo da Memória….

  1. Anderson disse:

    Ótimo texto.

    Congratulações.

    • ademarfey disse:

      Prof. Gauer,

      agradece. Ele está como professortutor em nossos dois cursos de Configuração de Roteadores e Switches. O “cara” é fera.

      Um abraço,

      Prof. Ademar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s