Você precisa pensar seriamente sobre o IPv6

Confira nossos E-books e Cursos on-line completos!

capa Dominando o IPv6 1a ed_batcapa Dominando Sub-redes no IPv6 e IPv4 1a ed_bat

Você precisa pensar seriamente sobre o IPv6

Do original Seriously, you need to think about IPv6. By Matt Prigge, InfoWorld. June 10, 2013.

Embora todo mundo pareça ignorar o inevitável, o IPv6 será uma realidade em breve, então se planeje para ele agora.


Eu escrevi várias vezes sobre o declínio inexorável de espaço disponível no IPv4 e por que isso significa que todos nós vamos ter que começar a colocar a cabeça para fora da toca e aprender IPv6. Se você ler essa parte particular – escrito há mais de dois anos atrás – você vai se lembrar que eu opinei que só teríamos um par de anos antes de nós todos sermos forçados a aprender IPv6. Claro, que isso não chegou a acontecer. A ARIN (American Registry for Internet Numbers) ainda tem mais de dois blocos IPv4 /8 (cada um com mais de 16,7 milhões de endereços) de espaço disponível a ser alocado, e há, sem dúvida, ainda muito espaço de folga das dotações que já foram feitas para provedores.
Então, as coisas não atingiram o nível de crise que eu imaginava que poderia ocorrer, há dois anos.

Dito isto, os ISPs norte-americanos estão começando a apertar os cintos com alocações de IPv4 pois eles vêem as fases posteriores do Plano de Contagem Regressiva do IPv4 do ARIN muito próximas. Tão logo isso ocorra, se tornará cada vez mais difícil para os ISPs obter espaço IP da ARIN, e por isso vai ser mais difícil para as organizações obter espaço IP dos provedores. Então, mesmo que não possamos estar no momento de “espaço esgotado” de endereços IPv4, a sua escassez terá consequências de longo alcance.

Num exemplo recente, deparei-me com o uso do  bloco /31 da rede da Northeastern U.S. ILEC FairPoint para handoffs dos clientes do seu negócio DSL. Seu uso foi, obviamente, uma tentativa de reduzir o consumo de espaço de endereço, pois estes blocos são incompatíveis com uma grande faixa de equipamentos nas instalações do cliente (normalmente, apenas roteadores reais sabem como usar essas duas minúsculas sub-redes de endereços, que carecem de um endereço de rede e de broadcast encontrados no mais típico bloco /30 ). Não se engane: Os efeitos iniciais de conservação agressiva de espaço de endereços Ipv4 já estão sendo sentidos e só vai piorar.

Você tem a habilidade de definir em casa como fazer a mudança para o IPv6?

Acima de tudo, o IPv6 tem uma mentalidade diferente de implementação do que o IPv4. Muitas das lições para a implementação de uma rede sólida baseada em IPv4 ainda se aplicam, mas muitos outros hábitos aprendidos não.

Por exemplo , o NAT ( tradução de endereço de rede) foi inicialmente utilizado como um meio para conservar o espaço de endereço IP, não como um meio para implementar a segurança. Com o tempo, o NAT também se tornou uma espécie de muleta de segurança que separa dispositivos com endereços internos dos endereços públicos da Internet. Mas com a quantidade alucinante de espaço de endereço disponível com o IPv6, o NAT irá em grande parte se tornar uma coisa do passado. Como um engenheiro de rede, eu posso dizer-lhe que simplesmente envolvendo sua cabeça em torno do fato de que todos os dispositivos em sua rede corporativa serão abordados com endereços IP roteáveis publicamente é mais do que um pouco desconcertante no início.

Criticamente, a obtenção de um bom controle sobre a forma como o IPv6 deve ser implementado em uma empresa e que advertências e armadilhas existem é algo a aprender agora – bem antes do planejamento de sua migração inevitável para o IPv6. Não beneficia ninguém aprender novas habilidades bem no meio do planejamento de um projeto de migração com potencialmente meses de duração.

Onde você vai conseguir transporte IPv6?

A próxima coisa a avaliar é a disposição do seu provedor atual ou a capacidade dele lhe fornecer transporte IPv6 nativo. Embora você possa usar  túneis IPv4 para IPv6, para fornecer acesso à Internet IPv6 para qualquer lugar, a melhor solução é ter um handoff IPv6 nativo . Nestes dias atuais, a maioria dos ISPs de valor vai lhe oferecer conectividade IPv6 nativa, mas alguns ainda não o fazem.

Como o IPv6 foi projetado para operar em paralelo com o IPv4, mas separadamente, você pode ser capaz de implementar o IPv6 em um teste provisório de capacidade atual e tornar o processo de aprendizagem de como ele pode ser usado muito mais fácil para quando for necessário.

Será que seus dispositivos de rede e software suportam o IPv6?

Em termos gerais, há muito poucos dispositivos de rede em uso em uma rede de empresa moderna que não suportam IPv6. No entanto, o suporte básico para o endereçamento IPv6 em hardware de rede e sistemas operacionais não é a única preocupação. O software também pode ser um problema – um monte de software da empresa é escrito usando APIs mais velhas que não são capazes de assimilar a versão do IP. O impacto que isso pode acarretar poderia ser relativamente menor – quando, por exemplo, o aplicativo precisar operar apenas uma rede interna onde a conservação de espaço de endereço IPv4 normalmente não é um problema. No entanto, pode ser muito mais grave se o aplicativo precisa atender as solicitações da Internet aberta ou fazer referência a esses endereços internamente.

Lições de Y2K

Esta situação do IPv6 em que nos encontramos hoje, não é tudo o que, ao contrário do susto Y2K, aconteceu no virada para o ano de 2000. Muitas pessoas olham para trás sobre isso e riem, pois não foi muita coisa que realmente aconteceu quando o Y2K finalmente aconteceu. No entanto, aqueles que estavam trabalhando em empresas – especialmente as maiores, com bases substanciais de códigos desenvolvidos internamente – vão se lembrar da enorme quantidade de esforço que foi necessário para garantir que nada de ruim acontecesse e que as luzes ficassem ligadas. O não-evento do Y2K necessitou muito esforço, esforço que parece faltar na transição do IPv6.

O esgotamento do IPv4 é diferente do susto do Y2K, pois ele não acontecerá de uma só vez. Mas também não há data certa para quando ele vai chegar no nível de criticidade, ou seja, não há prazo claro para as pessoas tomarem cuidado dela. E sem prazos reais, as coisas escorregam – muitas vezes longe demais. Empresas sabiam há muitos anos exatamente o que iria acontecer quando a meia-noite de 01 de janeiro de 2000 iria chegar. Mas ninguém pode dizer com certeza quando os ISPs de primeiro nível vão ficar sem espaço de endereços IPv4 para dar aos clientes – ou quando simplesmente ele vai tornar-se demasiado pequeno para que eles considerem distribuir seu espaço restante (isso poderia ocorrer já no próximo ano).

Então agora é a hora de fazer a aprendizagem e o planejamento, se você não tiver já feito isso. Não seja pego de surpresa quando o IPv6 finalmente se tornar algo que você não puder ignorar mais.

Este artigo, Seriously, you need to think about IPv6,” apareceu originalmente na InfoWorld.com.

Disponível em: http://www.infoworld.com/d/data-explosion/seriously-you-need-think-about-ipv6-220354?source=IDGENTERPRISENLE_nlt_insider_2013-06-13

Acesso em: 13/06/2013

Traduzido e adaptado por Ademar Felipe Fey em 30/11/2013.

Confira nossos E-books e Cursos on-line completos!

capa Dominando o IPv6 1a ed_batcapa Dominando Sub-redes no IPv6 e IPv4 1a ed_bat

Sobre ademarfey

Professor de TI aposentado. Escritor na área de Redes de Computadores e Telecomunicações. Também pesquisa a Imigração Alemã no Brasil desde 2017.
Esse post foi publicado em IPV6, Redes de Computadores e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s