ITU padroniza 1Gbps sobre linha de par de cobre, mas os serviços não virão até 2015

ITU padroniza 1Gbps sobre linha de par de cobre, mas os serviços não virão até 2015

 

O padrão G.fast vai abrir a porta para vídeo 4K em fios telefônicos.

 

Do original ITU standardizes 1Gbps over copper, but services won’t come until 2015. By Mikael Ricknas, IDG News Service. December 12, 2013 10:26 AM ET.

 

IDG News Service – A ITU tem dado um grande passo para a padronização da G.fast, uma tecnologia de banda larga capaz de atingir velocidades de download de até 1Gbps sobre o fio de telefone de cobre.

 

Tem sido discutida a “morte” do par de cobre e a ascensão de fibra. No entanto, o custo de implantação das fibras ainda é muito alto para muitos operadores que, em vez disso, desejam atualizar suas redes de cobre existentes. Assim, ainda há uma necessidade de tecnologias que podem complementar a fibra, incluindo a VDSL2 e a G.fast.

Velocidades mais altas são necessárias para aplicações como streaming de 4K, IPTV, armazenamento baseado em nuvem, e comunicação através de vídeo HD, disse o ITU.

A padronização do G.fast começou em 2011, e atingiu agora o que é conhecido como a aprovação do primeiro estágio ou consentimento. Isso significa que a especificação técnica está pronta para se tornar padrão. Em seguida é um período de observações, e o padrão é esperado para ser homologado até abril do próximo ano, de acordo com a ITU .

“Este é o marco mais importante no processo . O período de observações é projetado para otimizar o padrão, não para reverter qualquer coisa “, disse Michael Weissman, vice- presidente de marketing da fabricante de chips Sckipio, que está se concentrando apenas em silício para a G.fast .

A tecnologia aumenta a largura de banda, utilizando mais do espectro, o que pode ser comparado com a adição de mais faixas de rodagem de uma estrada. A G.fast usará 106MHz de espectro, o que pde ser comparada com 17MHz ou 30MHz usada pela VDSL2 e 40MHz usada por redes mais rápidas LTE-Advanced atualmente sendo testadas.

A desvantagem com G.fast é que ele só vai funcionar em distâncias curtas, de modo que os 1Gbps só será possível a distâncias de até cerca de 100 metros. A tecnologia está sendo projetada para funcionar a distâncias de até 250 metros, embora a velocidade de transmissão é mais lenta nessa distância.

Semelhante ao VDSL2, utilizado para oferecer banda larga de até 100Mbps sobre cobre, o desempenho da G.fast é afetado por interferência crosstalk . Para neutralizar isso, ambos usam uma tecnologia chamada de vetorização. Ele funciona através da análise contínua das condições de ruído em linhas de cobre, e, em seguida, cria um novo sinal, antinoise para anulá-lo, bem como aúdio com cancelamento de ruído. Sem o uso de vetorização, as velocidades oferecidas pela G.fast cairiam de mais de 1 Gbps para 200 Mbps, de acordo com a Huawei Technologies.

Empresas envolvidas no seu desenvolvimento já testaram as capacidades da tecnologia através de ensaios de laboratório e de campo utilizando equipamento protótipo baseado em documentos iniciais do padrão, de acordo com a ITU .


Por exemplo, em julho a Alcatel- Lucent e a Telekom Austria completaram o primeiro teste do mundo de G.fast com vetorização usando equipamentos protótipos. O teste atingiu uma velocidade máxima de mais de 70 metros com 1.1Gbps e com 800Mbps a mais de 100 metros ao longo de um único cabo, de boa qualidade, de acordo com a Alcatel-Lucent. Em cabos não blindados, mais abtigos, o teste conseguiu 500Mbps em mais de 100 metros em uma única linha, ela disse na época . Desde então, o desempenho foi melhorado em cerca de 10 por cento, de acordo com Stefaan Vanhastel, diretor de marketing para o negócio de redes fixas da Alcatel -Lucent .

 

Para Sckipio, a aprovação do primeiro estágio é o início de um período de desenvolvimento intensivo de produção de silício que pode ser colocado em caixas, e utilizado nos primeiros serviços comerciais em 2015.

” A complexidade está no modem … O padrão tem muito nele, incluindo a capacidade de fazer vetorização, lidar com grandes volumes de conteúdo e de altas frequências. “Esta não é uma tecnologia para os fracos de coração”, disse Weissman.

Disponível em: http://www.networkworld.com/news/2013/121213-itu-standardizes-1gbps-over-copper-276870.html?page=1
Acesso em: 13/12/2013

Sobre ademarfey

Professor de TI aposentado. Escritor na área de Redes de Computadores e Telecomunicações. Também pesquisa a Imigração Alemã no Brasil desde 2017.
Esse post foi publicado em Redes de Computadores, Telecomunicações, Tendência em Redes e áreas afins e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s